quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Mil Aves

Os dedos em volta do crânio,em seguida
As mil aves saltam de um penhasco
E, se cessam-me por hoje esta vida
Seria o amor, amanhã... meu asco

As três da tarde a noite perpetua
E a vida desdobra se não ao sarro
Um tanto em vão, enquanto a tua
D`outros ontens - o meu desgarro

As mil aves posam com algum respeito
Bebendo às bordas de um vale ôco
Violando-me à tudo e sem direito,
O que havia da infância foi-se há pouco

Nenhum comentário: