quarta-feira, 16 de março de 2011

Teus dentes, maus ares

Mais que estes dentes irregulares
Irregulares os lares sem entes
Descontente, fizeste maus ares
Pois, sentes tais ares contentes

Mais que, bateste teus dentes
Tendes a tê-los em azares
Atento a tudo e não sentes
Rogaste, teus entes, maus ares

segunda-feira, 7 de março de 2011

Panacéia

Fundemos erros à tal afeição
Um ano e, gazeamos a esmo
Pois não vejo e eu não cismo
Avultados à alheia perdição

Acabado numa chula comédia
O sonhar que, tanto dantesco
A morte já não nos era o risco
Vibrava o sol que não acendia

Panacéia – oh,tome-a por ti
Reembolsarei os dias fugidos
E se achas que foram mentidos
Panacéia – à dor que rebati