sábado, 5 de fevereiro de 2011

A boca murcha a beira-mar

Vem sem realce
A que o amor descalce
Vem com pressa!

Bem te alcance
A que o amor descanse
E sem compressa

Ah, um dia este ser porco
Trouxe-me à guia num louco
Eu só cismava descer ao prado
A ver do amor subir-me escaldo

Sim, um dia o amor airado
Rebateu-me a qualquer lado
Á sua guia tombei d´um soco
Qu`eu levantara sem um troco

Vá sem atar
A que o amor levantar
Aqui o cessa!

Vá sem tantos
Senões ou pôrquantos
Vá com pressa!

Se àquele dia há de a ver
E um ébrio tonto não houver
Hm.. a quem tirar mais bocejos?
Uh! Quem n`alma teve aleijos

À quela hora há de se cozir
Na tua face o mal sorrir
Só tendo o nada a esperar
C`oa boca murcha a beira-mar

Nenhum comentário: