quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Lamúrias de alegria

Tangindo à valsa um réquiem
Paixão frígida me inebria
Ô, negros amores, fiz-me refém
Teci lamúrias de alegria

Dourei-me à prata lua
Pois, fiz grisalho meu verão
Entorpeci a falta tua
Ainda só, dei-me a mão

Inverno veraneio tanto enjoa
Feliz só o Gim de sábado
Cósmica e atroz... cai garoa!
O domingo vêm sonso e calado

Nenhum comentário: