quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Alísio

Jogado ás telhas, aguardo o alísio
A tomar-me todo e imerso
Um bom torpor de tanto alívio
E um coração á ti suspenso

Estendo-te os braços, ó albor
-ah, se pudesse os possuir...
Alísio és frio!Corta o calor
Deixa-me a face a sorrir

Ponho-me ao contento abismal
Planejo-a às cores do albor
Ébrio de frias luzes, natural
Alísio sopra-se ao sol-pôr!

Nenhum comentário: