terça-feira, 23 de junho de 2009

Mors

E vem assim e de repente
Nunca atrasada, senhora!
É tão voraz e eminente
A única a não ter hora

E vai assim; és berrante
Em qualquer esquina, escora
Nunca escolhe por semblante
Vem, amiga e vá embora

Vil drama! Choros e abraços
Véu no chão, pés descalços
A outra estrela a subir

Um suspiro e gritos falsos
E quais teus outros laços
Qu´a noite rubra irá cobrir

Um comentário:

Anita Grey disse...

Tomo para mim as palavras do seu poema!
gostei horrores!
grande abraço