quinta-feira, 10 de julho de 2008

Nove de Julho

...alguém berrava ao longe;

Revolução! ...ô, revolução!

...ô, façam a constituição!"



E as bandeiras altas tombavam

E os escalpos furados descolavam

Com rudes golpes de mastros ...



As damas da sociedade privilegiada

Os barões eas mãos desarmadas

Deitados entre excrementos e rastros



A nação - agora- inerme sobre o alvo

Sob a névoa d´um estado salvo ...

Havia crianças e hinos festivos



Pois, por um milhão de almas vagas,

Pelo sangue escoado por estas plagas,

... e numeros fora dos teus arquivos



E, alguem berrava ao longe;

"Revolução! ... ô, revolução!

Ó, Deus meu , que decepção!"

4 comentários:

thamis disse...

Olá Júlio, só fazendo uma visitinha...

Ci Baby Spice disse...

Oi Júlio, é a Cintia, tudo bom??
Gostei bastante do seu blog, vc escreve bem hein! E suas fotos também são tão legais ^^
Fiquei super feliz, por ter falado com vc no Final de semana, Espero não perder mais contato com você...

Meu e-mail: superci@gmail.com

Se cuida viu? Beijão ;****

Jessica disse...

Aaaiin..vai me tocar ficar lendo poema mesmo?! haha...e quem mandou tirar o meu daaqui?! huunf!!..beeeijos.

100% disse...

ae julinho paradigmas universal

só cuidado as palavras ganham formas ...quem ? poque ? onde ?